Abaixo de DEUS, o que pode ser muito mais importante para mim do que a minha própria vida? 
Aqui vai um texto abridor de mentes, para você que por sua vez, tem dado excessiva importância para as coisas que são menos importantes que você.
Se por ventura considera a tua vida desfalcada, sem o que tanto gostaria de alcançar, ao ponto de se abater ou se depreciar, é porque falta em você, entender que, seu valor é muito mais do que as coisas que gostaria de possuir.
Imagine você sofrendo, porque gostaria de ser feliz e não consegue. Imagine você abrindo mão da felicidade, porque prefere ser triste, como um inconsciente escravo de uma dependência. Será que com a vida resolvida, sem a falta de nada, trocaria a alegria pela tristeza? Ou a satisfação pelo vazio? Obviamente que não. No entanto, não iria perceber que sua tranquilidade depende de coisas e de respostas do que considera importante pra você.
É sobretudo, importante saber que, em primeiro lugar a vida em si, é muito mais preciosa do que aquilo que você julga que a possa complementá-la. Essa criatura humana, foi criada nua e era perfeita e feliz, curtiu a plenitude da vida em perfeita conexão com o criador, pecou pelo desejo de algo a mais e se afastou da plena comunhão com o seu Criador, como se Ele não fosse o suficiente, porém as coisas passaram a ser importantes, como sendo complementares e na verdade não são e nunca serão.
Depois que se tem de volta a aliança da reconciliação com Deus, você pode andar nu com a mão no bolso, mas a sua expressão de regozijo verdadeira e plena, será a de Habacuque 3:18; você pode ter uma vida sem riquezas mas o Salmo 23 será a sua confiança; pode sofrer falta de tudo, mas dirá: "A minha alma diz ao Senhor: tu és o meu Senhor e nenhum bem possuo, senão a ti somente." (Salmo 16:2.)
Entenda e prossiga: Quando o Criador e Todo Poderoso passa a ser o maior valor assumido em nossas vidas, damos a nós sabiamente, a devida importância e aí somos de fato, os seres mais felizes da terra! 
Assuma o teu valor e seja feliz de verdade!!
Shalom!
Pr. Aroaldo de Oliveira.

Deixe seu Comentário